27 de março de 2017

Como conhecer brasileiros no exterior

Para a receita de hoje você só vai precisar de:

01 supermercado (tem que ser do super mesmo)
01 pacote de pão de queijo




 Apesar de ser uma receita auto-ditada, vamos ao passo-a-passo:

* Vá ao supermercado
* Encontre a sessão de congelados
* Pegue um pacote de pão de queijo
* Vá para o caixa

Se no caminho alguém olhar pro pacote e logo em seguida pra sua cara, prossiga dessa forma:

* Deixe a pessoa se aproximar
* Responda à pergunta (varia de "Is this brand good? I've never tried..." a "Excuse me mam, but are you brazilian?)
* Pronto

Rendimento: novos amigos.


12 de dezembro de 2016

Papai Noel invertido

Minha nova casa me faz sentir no Natal toda vez que coloco o lixo pra fora.

As pessoas da empresa que recolhe o lixo são praticamente Papais Noéis invertidos.

Por que?


Em vez de te dar algo, te tiram algo, mas a sensação é igualmente boa


O prédio tem um lugar próprio para jogar o lixo fora e nem precisa pegar o elevador ou a escada, por que tem um compartimento em cada andar pra ir lá jogar o lixo escorregador abaixo.


Mas se ainda achar muito trabalhoso ter que andar até lá, pode-se simplesmente colocar o lixo na porta, das 6 às 9 PM, fechadinho assim que eles vem e pegam pra você: 


Todo o seu trabalho

Você nunca sabe a hora que eles vão passar


Apesar de você ter horário para deixar o lixo pra fora, a hora que eles vão passar é sempre uma surpresa.

Pode acontecer de você se atrasar e ainda não terem recolhido ou... você achar que ainda dá tempo e quando olhar pras lixeiras dos vizinhos, ver que já passaram lá.


Se você esqueceu de tirar o lixo, essa vista não é boa.

Seja como for...

Você nunca os vê


Eles são invisíveis. Não importa a hora que você abra sua porta para por o lixo pra fora, você nunca vai se deparar com alguém recolhendo o do vizinho.

Você até pode ouvir eles (já aconteceu comigo), mas nunca vai vê-los.

Se você não se comportar direito, não ganha o serviço


Sim, eles sabem se você foi bonzinho ou não.

Deixou o lixo aberto? Malcriado. Não ganha o serviço.

Não colocou o lixo reciclável na sacola certa? Malcriado mesmo, vai ganhar uma advertência.

Agora se você foi comportado e fez tudo direito, na manhã seguinte você abre sua porta e tem a surpresa do serviço feito.

A prova de que você foi um bom(oa) menino(a)


Só a tarefa de colocar o contêiner vazio pra dentro que ainda é sua.

Mas tá aí uma boa coisa pra pedir pro ano que vem.

21 de novembro de 2016

How I feel when I am the foreigner

It has been a month since I arrived in the U.S. and I can describe this short period as the rediscovery of every simple thing as I was a child.

I have been forced to leave behind things I was familiarized with (and had done automatically) to learn different ways to do it – starting with how I should wash and dry my clothes from now.

Shopping at the supermarket has taken me an hour just to buy milk, bread, and butter. I am learning how they organize all kinds of stuff in the shelves and just figured out that their sense of grouping is different from mine. I still have many things to learn in my life.

Talking and chatting is another way to make me feel like a kid. How many times I am in the middle of a speech and the words sound wrong, and there is no time – or words option – to make myself clear. The best I can do about is embrace the humble of leaving others helping me. However, as many times it can be tiring for the others, it becomes usual for me building small sentences as the laziest way to resolve that. The issue of being a few-words person is to become a not nice person. And it is even worse when you remember your whole life being proud of your ability to communicate and express ideas.

I am living exactly in that moment when your mother tongue is becoming horrible and your second language still sounds awkward.



Therefore, be foreign is throw away how you used to be seen by others (especially by your beloved ones) to restart the process to prove that you are a friendly, confident and responsible individual. It also increases your relationship with Google (Translator, Maps, Gmail) because many times it will be your unique source.

The big win is that you are forced to stop with all old habits and think about them. You will have to be (more) organized, planning everything in advance, even what you will say. It is fantastic, somehow. How many times we had caused a mess just because we did not care about it? You will learn to actually pay attention to what other persons say because your comprehension will depend on the attention you give to it.

It is more about the other, less about yourself.

Been foreign is born again with no parents to help you to understand your new world. The learning will be a self-process, accepting that you will make many mistakes.

No matter what you already did/were in your life, it will always exist an opportunity to learn and do things differently.

8 de setembro de 2016

Paraneuras

Recostou no cheiro que não lhe pertencia
À cabeça já sem treino das desconfianças, nada se passou
Outro dia, de súbito, como todo insight costuma vir
Lembrou do atraso até então acidental daquela manhã
Com duas provas não achou que se acusava um crime
Mas em outra hora a terceira prova saltou aos olhos
Por trás do desejo, um jeito incomum de se apresentar
Uma justificativa desconversada lhe foi dada
E como um despertar, a cabeça voltou a treinar

20 de julho de 2016

Importe-se daqui pra um sonho

- Como você está depois que ficou sabendo?
- Não ligo.
- "Não liga". Desde quando?
- Não ligo mais.
- Assim, de repente, as coisas importantes pararam de te interessar?
- "As coisas" deixaram de ser importantes, só isso...
                                                                                    Olha, eu mudei. E é bom mudar, você mesmo fica falando que ser sempre a mesma pessoa é um pé no saco, que não entende como tem gente que é sempre a mesma. Então.
- Então que eu falava no bom sentido.
- Que! Meu sentido é o errado? Desculpa aí, não li o manual.
- Não começa. No seu caso você sabe que é ruim.
- O que você sabe sobre "o meu caso"? Já dei muita importância pra coisas desse tipo que não me levaram a lugar nenhum... É melhor pra mim não se importar... logo deveria ser bom pra você também.
- Pelo menos antes você sentia...
                                                    Vai dizer que não tá faltando nada aí dentro? Quem não sente, realmente não se importa, mas também não sonha.
- Que uma coisa tem a ver com a outra?
- Sonhar que as coisas podem ser melhores. A importância aparece quando temos o sonho de ver aquilo melhor. Desse jeito você nem sonha, nem melhora nada.
- Sonhar não está com nada.
- Sonhar não custa nada.
- Custa uma decepção.
- Custa um instante.

- Se eu sonhar com você é porque me importo com você?
- Pelo menos por um instante, sim.
- Você sonha comigo?
- Muitas vezes.
- E eu sempre te decepciono né..,
                                                     Vai fala, "até nos sonhos".
- Só não nos sonhos.
- Então porque você veio até aqui?
- Porque eu me importo com você.

14 de março de 2016

Tinder's Grandsma

Um ano sem conhecer ninguém legal
Dois amigos sugeriram o Tinder
Quatro meses sem dar match com ninguém
Cinco minutos para ficar interessada em alguém
Nove mensagens de blá blá blá e
Doze tentativas depois de marcar um encontro
Vinte e um foi o jogo que ganhei dele naquele bar
Duzentos e trinta e oito dias juntos amanhã
Quatrocentos e vinte é a diária do hotel que reservei pra comemorar
Cento e dois é o número do quarto que escolhi pensando nele
Vinte horas para ele vir me buscar
Dois mil quatrocentos e cinquenta é até onde vai nossa 6ª geração porque
Sete filhos vamos ter e
Um cachorro.









-----


Exercício de criação de texto a partir de números, proposto durante o curso Criativo, eu? do Go, Writers.

14 de maio de 2015

Estratégia de mãe

Nos 30 anos de experiência da minha mãe nessa função ela desenvolveu muitas habilidades que foram importantes para o crescimento dos filhos e fortalecimento da família.

Mas dentre todas, ela possui duas em particular onde é praticamente PhD:

1.    Estratégia do come mais;
2.    Estratégia do fica mais.

Vamos à aplicação da primeira.

Tudo começa com a confirmação de 6 pessoas para um almoço onde ela fará comida para 18 – o que significa que o resultado esperado é que cada pessoa coma por 3.

Dada a capacidade de cada um comer no máximo por 2, a estratégia do come mais é aplicada para não sobrar comida:

- Olha só, o quanto que sobrou. Eu errei em alguma coisa... Foi o sal?! Eu salguei tudo.

- Não não – alguém arrisca. Estava tudo ótimo!

Mote da estratégia:

- Você gostou? Que bom! Então come mais um pouquinho!

A estratégia do come mais pode ter ainda mais etapas psicológicas antes de atingir seu objetivo, mas a insistência final chega em um limite porque depende do quanto cabe de comida em uma pessoa – e apesar de parecer o contrário, a ideia não é matar você de comer.

Vamos à segunda: estratégia do fica mais.

Ela pode acontecer em diversas situações, inclusive horas depois da aplicação da estratégia do come mais (é preciso estar atento para não cair nas duas).

Começa com a movimentação suspeita dos convidados irem embora. Muito observadora, a mãe-estrategista se antecipa a qualquer despedida:

- Já tá na hora de fazer um café.

O resultado esperado desta ação é o ganho de tempo.

Enquanto você pensa no que dizer ela surge trocada e com o dinheiro na mão para ir comprar mais comida pro lanche (não era só um café?).

Na rua da casa dela tem uma padaria, mas essa não serve. Tem que ir naquela melhorzinha, que precisa pegar o carro, é difícil estacionar, demora pra atender, tem fila pra pedir e pra pagar. Isso tudo porque ela precisa ganhar tempo demonstra que ela escolheu do bom e do melhor.

Voltando pra casa - enquanto você-convidado avalia que agora tem ainda menos chances de recusar o café - ela põe a mesa. Ela olha pra mesa. Ela aplica o mote:

- Ai que mesa vazia, credo. Só isso não dá.

[Segundos de tensão].

- Será que... Ah sim, vou fazer um bolo.

Repare que nessa estratégia do fica mais é aplicado um rápido cálculo de cabeça de que o bolo faria ela ganhar mais 1 hora, pois são 20 min para preparar e mais 40 min pra assar.

E você, que até então não teve coragem oportunidade de falar nada, tira de novo o sapato e fica mais.

Sentindo o cheiro do bolo.

Pra comer mais um pouquinho.

23 de março de 2015

Café: prolongador de encontros

Ao filho que visita os pais no fim de semana, um fica mais que vou passar café

O quer um café? aos amigos que se vêem pouco

Aos amores, só tomar um café daí vamos embora pra enganar a despedida

Àquela pessoa que só fala dela, um expresso trem: até logo, a gente se vê.

Café coisa nenhuma.

Só se passa café pros queridos, pro encontro passar devagar.